Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Amazon vai vender livro importado como se fosse nacional

Cultura

Amazon vai vender livro importado como se fosse nacional
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

AMAZON

Amazon vai vender livro importado como se fosse nacional

E ainda na Babel: serviço de assinatura de livros para adultos, uma nova coleção de livros para crianças feitos a partir de músicas, etc

Maria Fernanda Rodrigues

24 Abril 2015 | 21h05

LIVRARIA
Amazon dá novo passo na tentativa de dominar o mercado

Noah Berger/Reuters

Centro de distribuição da empresa na Califórnia (Noah Berger/Reuters)

A notícia é boa para quem compra livros importados e pode deixar a concorrência incomodada. A Amazon decidiu ampliar seu catálogo internacional de 10 mil para 100 mil títulos impressos e vai vendê-los, a partir desde sábado, de acordo com sua política agressiva de preço. Na prática, será como comprar na Amazon americana, mas sem pagamento de frete internacional ou IOF – e, eventualmente, com algum desconto adicional. “Nosso valor não vai refletir o preço dos Estados Unidos. Temos nossa regra interna e sabemos que preço é fundamental. Por isso, revemos os valores periodicamente para deixá-los competitivos”, disse Daniel Mazini, líder da área de livros impressos, à coluna.
*
Um exemplo: hoje, a versão em inglês do best-seller O Capital no Século 21, de Thomas Piketty, custa cerca de R$ 170 na Cultura e na Saraiva e R$ 111 (sem contar o IOF) na Amazon americana. Na amazon.com.br, ele vai custar R$ 79,90. A cobrança de frete segue o padrão local: grátis para compras acima de R$ 69,90 (Sul, Sudeste e Centro-oeste) e de R$ 99 (Norte e Nordeste). O envio de um livro dos Estados Unidos para cá sai por cerca de US$ 10.
*
O ideal seria ter os livros no centro de distribuição para uma entrega mais ágil, acredita Mazini, mas é impossível. Há uma certa quantidade dos títulos mais populares. “Com o início do serviço vamos aprender o que o brasileiro quer e o que compra”, diz.

LEITURA
Assinatura para adultos
Os serviços de assinatura de livros infantis estão conquistando adeptos – o Caderno 2 publicou matéria sobre isso no dia 13 – e começam a chamar a atenção de leitores mais velhos. A gaúcha TAG Experiências Literárias foi criada em agosto por amigos da área de Administração que, quando se encontravam, conversavam mais sobre livros do que sobre ideias de negócios. No fim do ano, eram 90 assinantes. Agora, são 300 do País todo. A mensalidade custa R$ 69,90 e inclui um livro (indicado por alguma personalidade; Sarah Hrdy sugeriu Neve, de Pamuk, este mês), uma revista sobre a obra, o autor com sugestões de leituras e filmes afins,  e um mimo – uma minivodka acompanhou Duas Narrativas Fantásticas, de Dostoievski.
*
Outros títulos já enviados: O Físico, de Noah Gordon, indicado por Mario Sergio Cortella; Em Busca de Sentido, de Viktor Frankl, indicado por Daniel Pink; e Os Tigres de Mompracem, de Emilio Salgari, indicado por Javier Naranjo, etc.

COLEÇÃO
Letra e livro oitoanosA Salamandra lança, em junho, Oito Anos, o título que inaugura sua coleção infantil Músicas para Ler. A letra escrita por Paula Toller para seu filho (e que ficou famosa na gravação de Adriana Calcanhotto) ganhou ilustrações (acima) de Bruna Assis Brasil. Para o segundo semestre, está previsto o lançamento de Família, criação de Arnaldo Antunes e Tony Bellotto para o Titãs, que será ilustrada por Loro Verz. Nos livros, a letra é o enredo.

JUVENIL
Livre inspiração
O best-seller Minecraft serviu de inspiração para que Sean Fay Wolf, de 17 anos, criasse a trilogia Elementia Chronicles. Publicada de forma independente, ela logo chamou a atenção da HarperCollins – e, aqui, da Rocco, que lança o primeiro, Quest for Justice, no 2.º semestre.

ROMANCE
Passado e presente
Uma das principais vozes literárias da Finlândia, Sofi Oksanen terá o romance Quando as Pombas Desaparecem lançado em julho pela Record. É a história de estoniano que abandona o exército vermelho, começa a colaborar com o nazismo e depois tenta esconder o passado. (atualizado às 13h)