José Luiz Penna é empossado Secretário da Cultura do Estado de São Paulo

José Luiz Penna é empossado Secretário da Cultura do Estado de São Paulo

Alvaro Siviero

07 Abril 2017 | 15h12

Cerimônia de posse do Secretário da Cultura José Luiz Penna 01 - crédito Renata Beltrão

José Luiz Penna foi empossado Secretário da Cultura do Estado junto a Romildo Campello, Secretário-Adjunto, na noite desta quinta-feira, 6 de abril. A cerimônia de transmissão de cargo foi realizada na sede da Secretaria da Cultura do Estado, no Complexo Cultural Julio Prestes, e contou com a presença de centenas de pessoas ligadas ao cenário cultural e político brasileiro, entre elas o Ministro da Cultura, Roberto Freire, o Secretário municipal de Cultura, André Sturm e o Presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça. A cerimônia foi comandada pelo Governador em exercício, Marcio França.

“Estou na Cultura para falar com todos. Isso é um equipamento para dialogar com quem faz cultura e arte. Nós temos a disposição de fazer girar a roda no caminho da construção de um país melhor”, declarou José Luiz Penna durante a cerimônia.

“Há muitos anos reivindicamos uma cultura mais próxima da população, e isso tem a cara do Penna e de sua atuação, sempre vinculada a movimentos sociais e culturais. O Governo de São Paulo ganha muito com Penna no secretariado”, discursou Márcio França.

“Não são os limites geográficos que nos identificam, é justamente a cultura. É ela que faz que nós sejamos irmãos e parceiros. O Penna chega à pasta com um grande desafio e, com sua história de vida, irá fazer a nossa Cultura de forma mais inteligente e criativa”, afirmou Marcos Mendonça.

José Luiz Penna atuou em montagens teatrais, compôs com diversos parceiros, entre eles Belchior, com quem assinou a mais conhecida de duas composições, Comentário a Respeito de John. Assinou a trilha sonora dos filmes Sargento Getúlio (1983) e A Fronteira das Almas (1987). Foi assistente de direção de Louco por Cinema (1994), de André Luiz Oliveira, e Mário (2000), de Hermano Penna. Paralelamente à carreira artística, Penna impulsionou projetos de natureza sociocultural e ambiental: o Centro Cultural de Vila Madalena, referência na capital paulista, e o Parque Villa-Lobos, na zona oeste da capital. Atuou também na vida política.

Já Romildo Campello é Analista de Sistemas. Na vida pública, atuou no Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, foi o 1º secretário do Verde e Meio Ambiente de Mogi das Cruzes e 1º ouvidor geral de Mogi (oportunidade em que ganhou o Prêmio Mário Covas por inovação em Gestão Municipal). Foi presidente estadual da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma), secretário adjunto do Verde e Meio Ambiente da cidade de São Paulo, chefiou o gabinete da Secretaria de Estado do Turismo de São Paulo sendo, a seguir, secretário-adjunto e secretário de estado do Turismo de São Paulo.