O folk literário da banda Atalhos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O folk literário da banda Atalhos

João Paulo Carvalho

23 Março 2015 | 16h38

A cidade de Birigui, no interior de São Paulo, tem muito do que se orgulhar. Afinal, foi de lá que saiu a banda paulista Atalhos, uma das grandes apostas do rock nacional para a temporada de 2015. O grupo acabou de lançar seu segundo álbum, Onde A Gente Morre. Mixado por Mark Howard (Bob Dylan e R.E.M. e Red Hot Chilli Peppers), o vinil duplo que chegou às lojas em janeiro mostra um pouco da pretensão do “quarteto caipira”. Wilco, Neil Young, Levon Helm e Nick Drake são algumas das influências do conjunto, que tem nitidamente o folk como fonte de inspiração.

As letras da banda Atalhos são inteligentes. Referências literárias são ouvidas por toda a parte. A composição de José, Fiquei Sem Saída, primeiro single do novo disco, é baseada na obra de Kafka. Músicas longas, reflexivas, e um vinil duplo fazem parte da estratégia dos paulistas para que as pessoas ouçam as composições com mais atenção. “As canções de hoje em dia estão cada vez mais curtas. Quando algo não prende a atenção, a pessoa vai lá e pula a faixa. É justamente isso que não queremos. Falta imersão atualmente”, afirma o vocalista Gabriel Soares.

banda_atalhos_div_539
Formado por Gabriel Soares (bateria e voz), Conrado Passarelli (guitarra), Marcelo Sanches (guitarra) e Alexandre Molinari (baixo), o grupo se destaca na cena independente justamente por dar tempo ao tempo. O quarteto não se afoba, faz as coisas com calma, como pede o folk. Violões e gaitas dão o tom e propõem uma verdadeira viagem introspectiva pelas 12 faixas de Onde A Gente Morre.

Gabriel Soares desmente que sinta vergonha do primeiro trabalho, Em Busca do Tempo Perdido. O álbum foi produzido por Marcello Pompeu, vocalista do Korzus, que deu ao disco uma cara mais próxima do metal. “Tudo na vida é bagagem. Eu particularmente prefiro o Onde A Gente Morre. Tem mais a ver com a gente. No entanto, isso não significa que não aprendemos nada com o Pompeu. Apenas houve um redirecionamento do nosso som. Muita coisa em relação a isso foi distorcida”, conclui.

Além de Mark Howard na mixagem, o disco também conta com as participações especiais de Lucky Paul (baterista e percussionista da cantora canadense Feist), Eduardo Ramos (Schoolbell) e Ana Eliz Colomar (arranjos de cordas e cello).

Site: http://atalhosbanda.com/
Facebook: https://www.facebook.com/AtalhoS?fref=ts
Para baixar o disco: http://atalhosbanda.com/category/musicas


Quer mostrar sua música no Alt?
Então escreva para a gente: estadaoalt@gmail.com